Pandemia exige resiliência, criatividade e reinvenção de mulheres empreendedoras


Estudo aponta que crise do coronavírus interrompeu o crescimento da participação das mulheres no empreendedorismo


O Paraná possui 549.572 empreendedoras, segundo o estudo do Sebrae, “Empreendedorismo Feminino no Brasil”, que traz o perfil das empresárias brasileiras até o terceiro bimestre de 2020, com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). No Paraná, elas estão no comando de 34% das empresas e quase a metade delas (49%), tem menos de 44 anos de idade.


Além de gerenciar o próprio negócio, 47% das empresárias paranaenses também são chefes de domicílio. Mesmo com o desafio de lidar com várias tarefas no dia a dia, a mesma porcentagem de mulheres dedica mais de 40 horas por semana ao negócio. No Estado, 18% delas são empregadoras, a terceira maior proporção no Brasil.


Por conta da pandemia de coronavírus, as empreendedoras em todo Brasil sofreram com os impactos da crise. Conforme o estudo, dos 25,6 milhões de donos de negócio no Brasil, 33,6%, ou 8,6 milhões eram liderados por mulheres em 2020. No ano anterior, a presença feminina era maior, correspondia a 34,5% do total de empreendedores.


A gestora do Programa Sebrae Delas no Sebrae/PR, Dianalu de Almeida Caldato, explica que um dos fatores para essa retração foi a necessidade de cumprir jornada tripla, com as crianças em casa e a dedicação aos cuidados com idosos, por exemplo, o que faz parte de uma cultura que ainda sobrecarrega mais as mulheres.


“As características comportamentais das mulheres ajudaram na adaptação. Normalmente, elas se preparam mais para iniciar uma atividade, portanto, “antenadas” com as tendências e o cenário de atuação. Isso se refletiu na pandemia. Elas inovaram mais, entraram rápido para o digital e expandiram seus negócios encontrando novos caminhos”, explica Dianalu.


Liderança

A empresária Viviane Vanessa Genz, do oeste do Paraná, é um exemplo de superação na crise. Empreendedora, mãe, esposa e multitarefas, está à frente de quatro lojas em Marechal Cândido Rondon e tem mais um projeto em andamento. Diante dos desafios trazidos pela pandemia, percebeu que era hora de reforçar um dom natural, a liderança.


“Com o coronavírus, veio o estado de alerta permanente, dada às mudanças bruscas e inesperadas a todo momento, exigindo adaptações constantes. Essa nova situação tornou muito mais explícita minha capacidade de liderar, a fim de manter minha equipe unida e comprometida nesse período que estamos atravessando”, conta Viviane.


Nesse sentido, a empresária reforçou a presença da marca nas redes sociais, fez vários trabalhos de motivação com a equipe, desenvolveu ações sociais e procurou ainda mais capacitações para tornar o trabalho assertivo e bem-sucedido. Hoje, ela aconselha que outras mulheres, que também têm vontade de empreender, sigam seus sonhos, acreditem em si mesmas e sejam fiéis aos seus valores.


“Se você fizer o que realmente gosta, sempre terá forças para superar crises, renovar suas energias e se reerguer, porque tudo fará sentido. Empreender é muito mais que horas trabalhadas sem salário fixo. Empreender é ser psicólogo, é ser apoio de famílias que contam com você, é ser referência”, descreve Viviane.


Desafios

Nesse momento de incertezas, com novas medidas restritivas adotadas para conter o avanço da pandemia, a consultora Sebrae/PR, Dianalu de Almeida Caldato, orienta a realização de um planejamento de curto prazo.


“As mulheres têm como habilidade se reerguer diante de grandes desafios. Vale a pena traçar estratégias de sobrevivência de curto prazo, que incluem alternativas imediatas. O período turbulento vai passar e quem sem planejou e inovou terá melhores condições de crescer na retomada”, orienta.


A 9ª Pesquisa de Impacto do coronavírus nos pequenos negócios, de novembro de 2020, já indicava que as mulheres empreendedoras foram mais prejudicadas no que diz respeito ao faturamento mensal (75% delas acusaram diminuição, contra 71% dos homens). Mas, as empreendedoras foram mais proativas no enfrentamento às dificuldades, sendo que 46% delas passaram a comercializar novos produtos/serviços, contra 41% dos empresários.



Outros dados sobre o empreendedorismo feminino

Paraná:


• 18% das empreendedoras paranaenses são empregadoras (no Brasil, o número é de 13%);


• 67% delas têm de 1 a 5 empregados;


• 49% têm até 44 anos;


• 45% das paranaenses empreendem no setor de serviços;


• 60% das empresárias contribuem para a previdência social;


• 47% trabalham mais de 40 horas por semana no negócio;


• 23% das empreendedoras paranaenses são negras;


Brasil:

• No 3º trimestre de 2020, haviam 25,6 milhões de donos de negócio no Brasil, sendo 8,6 milhões de mulheres (33,6%) e 17 milhões de homens (66,4%);


• Entre as donas de negócio no Brasil, 29% têm nível superior, 39% nível médio, 24% fundamental, 1% sem instrução e 7% não informaram;


As mulheres Donas de Negócio (comparado aos homens):


• Têm maior grau de escolaridade


• São mais jovens


• Ganham menos


• Trabalham mais sozinhas (Conta Própria)


• Trabalham menos horas no negócio


• Estão há menos tempo na atividade atual


• 49% são chefes de domicílio


• Empregam menos (menor proporção de empregadoras e menor número de empregados)


• Têm estruturas de negócio mais simples


• Contribuem mais à previdência na atividade atual


• Trabalham mais no setor de serviços (destaque: alojamento e alimentação)

3 visualizações0 comentário

Foz do Iguaçu - Paraná

©2021 por Portal Fronteiras. Orgulhosamente criado e desenvolvido por Agência Ludkus.