Artistas elogiam descentralização de apresentações com a Carreta Palco


Equipamento da parceria entre Fundação Cultural e Sesi permitiu deslocamento de palco a oito bairros da cidade, dentro do Natal de Águas e Luzes


Um palco com rodas, equipado com sistema de som e iluminação. A Carreta Palco (Unidade Móvel Cultural do SESI) levou a oito bairros populosos da cidade, mais de 15 artistas selecionados pelo Corredor Cultural e também voluntários.


Nas apresentações o público esteve atento aos diferentes ritmos no palco. Os artistas também puderam trocar experiências e viver momentos especiais. A descentralização das apresentações foi uma estratégia utilizada pela organização do Natal de Águas e Luzes, para estender as atrações musicais, além do centro (Praça da Paz) e Gramadão (Vila A).


A troca entre artista e público foi essencial e valorosa. “Acredito que possibilitar acesso a arte e cultura nos bairros deveria ganhar mais e mais espaço na cidade, ser algo recorrente”, disse a cantora Ellen Miru que fez apresentação na Vila C.


Para ela, foi um privilégio tocar num palco completo, com auxílio de técnicos. “Não é todo dia que uma ‘cantautora` tem esse privilégio. Acredito que possibilitar acesso a arte e cultura nos bairros deveria ganhar mais e mais espaço na cidade, ser algo recorrente. As pessoas têm fome de arte sim”.


O músico Guilherme Arruda da banda Onda Guazú afirmou que as apresentações formaram um circuito cultural. “É muito importante que isso seja compartilhado com todos, esteja em vários bairros com uma estrutura dessas. A cidade evolui com a construção da cultura”.


Público


A cantora Sofia Goulart, que tocou ao lado do acordeonista Tiago Rossato, descreveu como inesquecível a participação na Carreta durante apresentação no Morumbi. “Sobre a experiência de tocar na carreta foi inesperado fazer essa intervenções culturais fora do palco principal, são experiências profundas. Quando você vai atrás da pessoa no bairro, você pega ela no ambiente dela, ela ‘tá’ em casa, no quintal dela, então consegue ficar mais à vontade, e assim abre mais o coração”.


A experiência vivida por Sofia e Tiago foi de ter a participação efusiva do público infantil. “Era um show para adultos, quando chegamos à carreta no Morumbi e começamos o show, a criançada saiu e sentou na frente do palco, foram espontâneos demais”. Para ela, o carinho com que os artistas foram recebidos é repleto de significados. “Fomos para entregar algo e acabamos recebendo em dobro. Quando a cultura vai atrás de corações que estão desejosos de serem tocados, é isso o que acontece”.


Para o músico Magnum, a apresentação foi diferente de todas. "Sempre morei próximo do bairro e foi gratificante poder tocar aqui (Morumbi) e ver a reação das pessoas, especialmente das crianças”.


A importância da interação com as pessoas dos bairros e os artistas também foi salientada por Rudinei Guari, o Mano Magrinho. “Esse tipo de evento atrai as pessoas e põe todos em contato com a cultura. No bairro, às vezes as pessoas não conhecem, não têm acesso a esse tipo de evento, então levar música, dança é uma oportunidade, porque envolve todo mundo. A Carreta facilitou esse contato a muitas pessoas”.


A Carreta Palco foi possível graças a uma parceria entre a Fundação Cultural e o SESI. As apresentações aconteceram nos bairros: Porto Meira, Buba, Jardim das Flores, Jardim São Luiz, Jardim São Paulo, Três Lagoas, Vila C e Morumbi.


O Natal de Águas e Luzes é uma realização da Prefeitura de Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional, Fundo Iguaçu, Fundação Cultural e parceiros. Confira a programação completa em: https://www.natalaguaseluzes.com.br/.

1 visualização0 comentário